domingo, 11 de outubro de 2009

Branca de Neve - Marcia Tiburi





Branca de Neve - Marcia Tiburi




"Cada um, homem, mulher ou além, têm dentro de si uma Branca de Neve. E seus sete pecados. Pequenos ciclos da vida psíquica em que cada um nasce, cresce e morre.

Ela não quer ver, nem deixar ver. Ela não sabe da ordem do mundo, das guerras, das dores, sofrimento, corrupção. Toda a sorte de maldade. E ela reina sobre seu país de tontos: Eu não sabia. Ela foge do príncipe que depois a capturará para sempre, por pura preguiça moral, escava o próprio túmulo.

Ela é boa e má. Se ama enquanto se odeia, no espelho ela procura a beleza encontrando a feiúra. É a princesa que vê a bruxa, a bruxa que é a princesa. Quem sou eu se sou o outro? Uma quando nenhuma?

A que se deixa levar para que não tenha que tomar providências. Não é livre, nem escolhe fugir ou ficar. Confia em qualquer um, submersa que está em seu paraíso perdido. Reino do narcisismo quando o mundo foi feito para lhe servir, e ela se deixa conduzir.

A criança que espera encontrar satisfação, desejo realizado pelo choro, magia que alia mulheres a fraqueza e a infantilidade. Dou-lhe a mão? Acendo a lâmpada no escuro.

A mesma que serve aos desconhecidos, é a que se aproveita dos mais próximos. A mesma que seduz é a que manda. A que serve é a que espera lucrar. A que não faz nada sem esperar retorno.

Por não querer ver, ela confia em todos. E para nunca desagradar, ela aceita o que lhe dão. O narcisismo barato como uma mercadoria, para não trair seu espelho, para que ele não lhe diga a verdade, ela aceita o fruto, o resultado.

Ela, a bela, a pobrezinha, a servil, a passiva, a tonta, a sonsa, a inconsequente paga o preço de sua burrice. Sendo incapaz de resistir a maçã, esquecida de seu destino de Adão de saias. Ela é expulsa do paraíso, perdeu sua inocência e pagou com a morte. Uma morte simbólica muito especial.

E aqui termina a nossa história, cada um tem sua maçã envenenada. Fruto da árvore do conhecimento do Bem e do Mal. É por ela que se morre como o espelho de narciso."

Marcia Tiburi

Nenhum comentário: