quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

É tão bom ser espírita (Raul Teixeira)



É tão bom ser espírita


É tão bom ser espírita
E ter esse compromisso com a fraternidade que nos une
Que nos ensina a dizer sim
A dizer não
A ser fiéis
Sem que tenhamos que perder a fraternidade.
É tão bom ser espírita
E ter essa lucidez diante da imortalidade
E cantar
E estudar
E servir
E ser feliz
Mantendo a nossa alegria
A nossa alacridade.
É tão bom ser espírita
Olharmos uns aos outros
Com harmonia
Sem desejos malsãos
Sem lascívia
Iluminando com as luzes da amizade
Da ternura e da afabilidade
Cada um dos nossos dias.
É tão bom ser espírita
Para entender que a dor não é coisa nossa apenas
Que a dor invade o mundo
Aturde as almas
E que mesmo quando vivemos horas difíceis
Esperamos por certo outras horas amenas.
É tão bom ser espírita
E manter acesa a lucidez
E trabalhar o bem
O bom servir
Colocando tudo em seus lugares por nossa vez.
Ser espírita é ter esse compromisso com a harmonia interior
É cantar as blandícias que nos chegam do Senhor
É ser feliz
É colocar os passos sob a doce diretriz
É tomar do sangue amargo
Usar o pão sem fermento
Mas mantendo lucidez, dentro do próprio pensamento.
Ser espírita é colocar Jesus na nossa vida
E, enquanto passeamos pela Terra,
Desenvolvamos a própria vida,
Erguer os olhos às constelações
Fazer brilhar os próprios corações.
E nesta hora do mundo
Quando divisamos dos Evangelhos os apogeus
Ser espírita é ter certeza
De que, irmãos de Jesus,
Somos filhos de Deus.

Encerramento da Conferência de Raul Teixeira no Encontro Estadual Espírita do Interior do Paraná, em Londrina, em 2005.
Em 22.01.2011.

2 comentários:

Daniela Marchi disse...

Nossa, que bonito. Realmente, Raul e Divaldo encerram suas palestras com dizeres emocionantes...

Alex disse...

Sim, com certeza, Daniela.